livro Antes de partir Blog Mundo Sublinhado

Antes de partir (Colleen Oakley)

“A urgência com que eu costumava viver a vida, de repente, parece desnecessária. Sempre ansiando por algo. […] Agora desejo segundas-feiras que durem a semana inteira e raios de sol que não queiram se render ao luar.”

Livro: Antes de partir
Autora:
 Colleen Oakley
Gênero: Romance estrangeiro
Editora: Bertrand
Ano: 2016
Nº de páginas: 320
Nota Skoob: 3.8
Minha nota: 2.5

Sinopse

Na véspera do que esperava ser uma triunfante comemoração de três anos livre do câncer, Daisy, 27 anos, sofre um golpe devastador: seu médico lhe diz que a doença está de volta, desta vez ainda mais agressiva. Tendo apenas de quatro a seis meses de vida, ela está apavorada com o que será de seu marido, Jack, quando não estiver mais lá para cuidar dele. Esse medo tira seu sono, até que uma solução lhe vem à mente: ela precisa encontrar outra mulher para ele. Com uma determinação singular, Daisy visita parques, cafeterias e sites de relacionamento à procura do par perfeito para Jack. Mas, à medida que ela avança em sua busca, ela se vê forçada a decidir o que é mais importante no curto tempo que lhe resta: a felicidade de seu marido ou a sua própria?

Resenha Mundo Sublinhado

Daisy tem 27 anos e acaba de saber que o câncer com o qual ela lutou a três anos voltou de uma maneira muito pior e ela tem pouco tempo de vida. Como lidar com uma informação dessa? Esperança não fazia mais parte de sua vida, então ela tentou ser extremamente realista e ajudar as pessoas que amava, principalmente Jack (seu marido) a se preparar para sua partida. Entretanto ela se afastou e negou sua companhia enquanto ainda estava viva e suas ações machucaram muito Jack, sua mãe e sua melhor amiga, mas o que mais machucava era saber que ela negava compartilhar sua dor e seus últimos momentos com eles.

A história é bem realista. Acredito que uma pessoa que sabe que está morrendo fique extremamente deprimida e confusa, assim como a personagem. Ela ficou tão confusão qe resolveu procriar uma esposa para seu marido (oi???), sim, ela fez isso e se dedicou fielmente. Sua dor e confusão são bem evidentes e com o desenrolar dos fatos vemos que tudo que ela fez foi por amor e que ela não estava pronta para deixar a vida e nem seus amores e planos.

Como diria o poeta Mario Quintana “A vida é breve, e o amor, mais breve ainda” e Daisy e Jack viveram essa brevidade (sim, essa palavra existe, pode googlar) e após isso Jack vivenciou o luto ao qual Daisy viveu grande parte desta história.

Minhas considerações

Esse livro me deixou deprimida, ao passo que as páginas iam passando eu acompanhava o humor da personagem, ou seja, a história realmente mexeu comigo e isso é algo positivo, entretanto não foi de uma maneira positiva.

Acredito que Colleen Oakley tentou descrever como uma pessoa que sabe que vai morrer fica. A incerteza da vida, da morte, a esperança ou falta dela. A personagem já tinha vivido tudo aquilo, só que agora o câncer voltou e de uma maneira devastadora. Ela sabia que não tinha o que fazer, por isso tentou se concentrar em preparar as pessoas que amava para sua partida, entretanto, o caminho utilizado para isso foi doloroso para ela e parta todos que estavam a sua volta. Como leitora, ver a maneira que ela tratava seu marido me machucava assim como machucava a ele. Esse livro me mostrou tudo que não devo fazer caso um dia saiba que estou em estado terminal.

O que eu mais gostei foi a reflexão que esse livro nos propôs e o final, onde Jack fala sobre sua perda e como estava passando. Mas, na maior parte achei uma leitura seca, com muitos fatos irrelevantes. Acredito que essa era uma história com muito potencial que se resumiu a um livro com um último capitulo melhorzinho, mas insosso e uma capa bonita. Potencial desperdiçado. E para quem está reclamando do final… Eu acho que foi coerente com o livro, não se pode esperar um final espetacular de um livro que não foi espetacular, o final foi coerente com a realidade de fatos apresentados. Eu gostaria que os momentos felizes tivessem sido melhor explorados, acredito que seria melhor para a história, mas acredito que a autora quis dar um recado, passar um mensagem, e se a mensagem foi: “não viva o luto precipitadamente, aproveite a vida e quem te ama” eu entendi!


Minhas frases sublinhadas (as frases não estão com o número da página por que fiz a leitura no leitor digital e o número das páginas são diferentes).

“A nossa conexão enche meu coração de espanto e satisfação. Acho que todos os casais sentem isso em algum momento. Que a ligação entre eles é a mais especial, a mais forte, o maior amor de todos. Não sempre, só naqueles momentos em que você olha para a pessoa que está ao seu lado e pensa: sim. É você”

“Irresistível. E apesar de ter estudado cada centímetro dele durante os anos em que estamos juntos, memorizando cada linha, sarda e imperfeição, seu rosto ainda é capaz de me aquecer como o sol. Desfruto seu brilho.”

“Nem todo mundo está destinado a ficar junto para sempre.”

“ ‘ – Vocês são muito diferentes’
Desisti de tentar explicar que o que temos em comum é nossa vida inteira.”

“Agora que estou morrendo o céu parece maior. Ou talvez seja eu que me sinta menor. Ou talvez seja só quando se está morrendo, ou não, que a pessoa realmente para a fim de observar a vastidão do azul e pensa a cima dela, que ela não pode deixar de se sentir irrelevante. Impressionada com o quanto sua vidinha é insignificante na grande escala das coisas.”

“A urgência com que eu costumava viver a vida, de repente, parece desnecessária. Sempre ansiando por algo. […] Agora desejo segundas-feiras que durem a semana inteira e raios de sol que não queiram se render ao luar.”

“E quando ela riu, seu sorriso abalou minha convicção de que eu nascera para ser veterinário e me fez pensar que tinha nascido com o único propósito de encontrar maneiras de fazê-la rir novamente.”

Algumas pessoas podem considerar a próxima frase como SPOILER, então leia por sua conta em risco. Essa é a frase que me fez sentir que esta leitura valeu a pena.
“Percebi que luto é isto: um ciclo constante em que você se sente melhor e se sente pior, e tenho esperança de que um dia vou me sentir melhor com mais frequência do que me sinto pior.”

Como sempre falo aqui, essa leitura não foi uma das minhas melhores leituras, mas se você tem vontade de ler, leia, essa posse ser a leitura da sua vida, você só saberá lendo!

Mil beijos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s