A Bela e a Adormecida (Neil Gaiman)

O livro conta a história da princesa de uma maneira que só o mestre da fantasia Neil Gaiman sabe fazer.
O livro já chegou trazendo à tona várias discussões, inclusive a respeito de orientação sexual e do poder de decisão das mulheres. O mais legal é que no livro fica claro que a verdade é que a nossa geração não se incomoda com o sexo de quem está salvo, mas sim, que alguém foi salvo por alguém que se importou, por outro ser humano.

Livro: A Bela e a Adormecida
Autor: Neil Gaiman
Ilustrador: Chris Riddell
Editora: Rocco
Ano: 2015
Nº de páginas: 72
Nota Skoob: 4.5
Minha nota: 4

Funko pop modelo Princesa Aurora – Loja http://www.isgeek.com.br/

Sinopse

Em uma sombria e fascinante história, as mais queridas princesas dos contos de fadas são reinventadas de maneira brilhante pelo inglês Neil Gaiman e o ilustrador Chis Riddell. Em A Bela e a Adormecida, uma jovem rainha é informada, na véspera de seu casamento, sobre uma estranha praga que assola as fronteiras do seu reino, um sono mágico que se espalha pelo território vizinho e ameaça os seus domínios. Na companhia de três anões, a rainha abandona o fino vestido da festa, pega sua espada e armadura e parte pelos túneis dos anões para o reino adormecido. Uma viagem repleta de ação e suspense que leva a uma surpreendente descoberta. Misturando o conhecido e o novo com perfeita sintonia, Gaiman cria mais uma obra repleta de magia e aventura capaz de hipnotizar o mais exigente dos leitores.

Resenha Mundo Sublinhado

Todos conhecemos a história da Bela Adormecida, mas neste conto de Neil Gaiman, ela é bem diferente.

A história fala de uma rainha que recebe uma notícia perturbadora de três anões, (a história não conta o nome dos anões e nem da rainha, mas ela se assemelha em muito com a Branca de neve), um sono profundo está se espalhando e em breve deixará seu reino inteiro dormindo. A rainha, motivada tanto pela preocupação quanto também por ter um motivo para adiar seu casamento, se despede de seu noivo e adia os acontecimentos do dia seguinte para partir com os anões e tentar salvar o seu reino.

Após dias caminhando e correndo perigo eles chegam aos arredores do castelo, onde uma bela jovem estava dormindo e uma velha guardava seu sono, mas na hora em que a majestade beija a bela adormecida ela desperta e a majestade e os anões descobrem o que está causando o sono profundo e então com uma grande virada na história e a ajuda de outra princesa, o reino é salvo. E os personagens reescrevem seus caminhos.

– Como todos conhecem o conto original, tentei não me estender, pois, tudo que eu falar será spoiler já que o livro é tão pequeno. –

Minhas considerações

É muito difícil falar desse livro sem dar spoiler, mas me esforcei ao máximo.

O que mais gostei foi por que o autor não se limitou a nomear os personagens, no livro não é citado o nome de ninguém, nem mesmo dos reinos; O autor se deteve a descrever atitudes que demostram os sentimentos envolvidos na obra.

Outro ponto relevante ao meu ver, foi o fato da ‘majestade’ ter deixado seu noivo na véspera do casamento, o que mostrou o poder de decisão da mulher, assim como sua coragem e a capacidade de decidir seu “amanhã”.

A tão polêmica parte em que a majestade beija a bela jovem não tem contexto sexual, mas sim humano, de salvação e isso me tocou profundamente, pois independente de orientação sexual, a história demostrou a humanidade da personagem.

Gostei muito desta releitura, ele me mostrou em suas entrelinhas mais do que eu poderia aprender lendo palavras em outros contos.

Também tenho que ressaltar que esta edição é uma das mais belas do ano. A Editora Rocco me surpreendeu, ao deixar a edição assim como a original, e também com a qualidade dos materiais dessa belíssima obra.

Este é um livro que todos os apaixonados por Contos de fadas merecem ter.

Melhores frases sublinhadas

“Cada golpe de martelo soava como a batida de um coração.” – pag 14

“Os nomes estão meio em falta nesta história.” – pag 23

“Existem escolhas, existem sempre escolhas.
Ela fez uma.”- Pag 66

Sobre o autor

Neil Gaiman é conhecido por seus “contos sombrios” e por ser o mestre da fantasia. Nesta releitura do clássico ‘A Bela adormecida’ notamos que a princesa é salva por outra princesa, em entrevista ao Telegraph, o escritor disse: “Não tenho paciência com histórias em que mulheres são resgatadas por homens. Você não precisa ser salvo por um príncipe”.

O livro já chegou trazendo à tona várias discursões a respeito da orientação sexual, mas a verdade é que a nossa geração não se incomoda com o sexo de quem está salvando, mais sim, que alguém foi salvo por alguém que se importou, por outro ser humano.

Gaiman é conhecido por roteirizar a história em quadrinhos Sandman nas décadas de 1980 e 1990, além de ter escrito bestsellers como O Oceano no Fim do Caminho (2013), O Livro do Cemitério (2008) e Deuses Americanos (2001).

Sobre o ilustrador

Chris Riddell tem muitos trabalhos como ilustrador e é conhecido pela trilogia Otolina no Mar (2010), Otolina na Escola (2008) e Otolina e a Gata Amarela (2007), por exemplo.

Nesta obra podemos nos deslumbrar nos detalhes de suas ilustrações, que em alguns momentos mostram a agonia, em outros a tristeza, amor, coragem, mas em todos percebemos a complexidade do sentimento em cada detalhe das ilustrações em preto, branco e dourado.

– Essa jacket linda em papel manteiga deu um ar delicado para o livro, além de acentuar a beleza das ilustrações –

– Funko pop modelo Princesa Aurora, presente da loja Is Geek.com.br –

Espero que vocês tenham se apaixonado por essa história assim como eu.

Mil beijos,

Laise Caroline

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s