A última música (Nicholas Sparks)

Essa história é linda! O que mais me encanta é que o foco principal é na relação entre a filha e o pai, como eles crescem e dão passos juntos para enfim reconstruí-la. A história de amor também não fica muito atrás, Will e Ronnie são lindos juntos, e é muito belo ver o amadurecimento desse amor que seria apenas “de verão”.

Livro: A Última Música
Autor: Nicholas Sparks
Editora: Novo Conceito
Número de páginas: 397
Ano: 2014
Nota do Skoob: 4
Minha nota: 5

Sinopse

Aos dezessete anos, Verônica Miller, ou simplesmente Ronnie, vê sua vida virada de cabeça para baixo, quando seus pais se divorciaram e seu pai decide ir morar na praia de Wrightsville, na Carolina do Norte. Três anos depois, ela continua magoada e distante dos pais, particularmente do pai. Entretanto, sua mãe decide que seria melhor para os filhos passarem as férias de verão com ele na Carolina do Norte. O pai de Ronnie, ex-pianista, vive uma vida tranquila na cidade costeira, absorto na criação de uma obra de arte que será a peça central da igreja local. Ressentida e revoltada, Ronnie rejeita toda e qualquer tentativa de aproximação dele e ameaça voltar para Nova York antes do verão acabar. É quando Ronnie conhece Will, o garoto mais popular da cidade, e conforme vai baixando a guarda começa a apaixonar-se profundamente por ele, abrindo-se para uma nova experiência que lhe proporcionará uma imensa felicidade – e dor – jamais sentida. Uma história inesquecível de amor, carinho e compreensão – o primeiro amor, o amadurecimento, a relação entre pais e filhos, o recomeço e o perdão – A ULTIMA MÚSICA demonstra, como só Nicholas Sparks consegue, as várias maneiras que o amor é capaz de partir e curar seu coração.

Resenha Mundo Sublinhado

O livro mostra a relação difícil existente entre Ronnie e seu pai, Steve. Após a separação dos pais, Ronnie não compreende o porquê de seu pai abandonar a família, e por conta disso, fica profundamente chateada deixando de lado atividades que praticava com ele, como o piano.

Após algum tempo, Ronnie e seu irmão, Jonah, vão passar as férias na casa do pai. Ainda relutante com a ferida que tem com Steve, ela passa os primeiros dias do verão quase inteiros fora de casa, e é aí que conhece Blaze, Marcus e sua gangue (que só se metem em encrencas). Conhece também o garoto mais popular da cidade, Will, que tem uma rixa com Marcus.

Diferente de Ronnie, Jonah desde o primeiro momento que reencontrou o pai foi sempre carinhoso e aproveitou cada momento junto com ele.
Por conta de um incêndio ocorrido em uma Igreja da cidade, Steve está colaborando com a sua reconstrução e junto com Jonah estão montando um novo vitral para a Igreja.
No decorrer da história, Will e Ronnie vão se conhecendo e se apaixonando, e, simultaneamente, a relação entre ela e o pai vai melhorando, mesmo que com uma certa vagareza.

Apesar da dureza, Ronnie tem um coração muito bondoso, e está sempre disposta a ajudar a todos, no entanto, algumas pessoas aproveitam-se desse bom coração para ferrá-la.
Muitas intrigas e situações acontecem, mas uma boa lição a se tirar do livro é a de que devemos viver a vida, amar as pessoas e perdoá-las sabendo que o amanhã é incerto e que talvez ele possa não mais existir.

Minhas considerações

Eu sou a pessoa mais “suspeita” pra falar desse livro, porque está entre os meus favoritos dos favoritos (hahahaha). Essa história é linda! O que mais me encanta é que o foco principal é na relação entre a filha e o pai, como eles crescem e dão passos juntos para enfim reconstruí-la. A história de amor também não fica muito atrás, Will e Ronnie são lindos juntos, e é muito belo ver o amadurecimento desse amor que seria apenas “de verão”.

O livro é divertido, mas também muito triste.
O final é perfeito, assim como todo o resto, eu não mudaria uma vírgula sequer.
Confesso que assisti primeiro o filme, mas o livro — como na maioria das vezes — foi ainda melhor.
Leiam e se apaixonem por essa obra junto comigo!

Minhas frases sublinhadas

“O amor é frágil, Ronnie. E nem sempre cuidamos dele muito bem. A gente se vira e faz o melhor que pode, e torcemos para que esta coisa frágil, sobreviva apesar de tudo”

“Ele olhou para ela, sabendo com certeza que ele estava se apaixonando. Ele a puxou para perto e beijou-a debaixo de um manto de estrelas, imaginando como na terra que ele tinha tido a sorte de encontrá-la.”

“A vida é um piano. Teclas brancas representam a felicidade e as pretas a angústia. Com o passar do tempo você percebe que as teclas pretas também fazem música.”

Sobre o filme

O filme é também lindo e emocionante, mas o que me faz preferir o livro são alguns detalhes importantes que o filme tira e também o final do livro que é bem mais bonito.
Mas o filme é muito legal, e vale muito a pena assistir.

Até semana que vem… BeiJU

Um comentário sobre “A última música (Nicholas Sparks)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s